domingo, maio 08, 2016

COM NENÊ E MURICY COMO HERÓIS, VASCO CONQUISTA O ESTADUAL 2016, QUE ESCANCAROU A FRAGILIDADE ATUAL DO FUTEBOL CARIOCA

Por Danilo Silveira

Se em 2015 o herói do título estadual do Vasco foi Vanderlei Luxemburgo, que com um Flamengo muito superior em termos de talento em mãos, não conseguiu dar minimamente um padrão tático ao Rubro-Ngero e acabou eliminado pelo cruzmaltino, em 2016 a dupla Nenê-Muricy Ramalho foi a grande responsável pelo bicampeonato do Gigante da Colina. O primeiro conseguiu a proeza de não conseguir fazer jogar de forma minimamente organizada, um dos melhores elencos recentes da história do Flamengo, enquanto o segundo foi líder e referência técnica do Vasco dentro das quatro linhas.

Muricy Ramalho conseguiu superar a incompetência de Luxemburgo em 2015. O elenco Rubro-Negro desse ano é superior ao de 2015, enquanto o do Vasco em 2016 é inferior ao Vasco de 2015, que tinha Dagoberto e Gilberto.

E quando o assunto é o Cariocão 2016, difícil é achar coisa boa para se comentar. Além de Muricy Ramalho, temos outras coisas constatadas, que não agregam positividade para o futebol bem jogado. Talvez a partida derradeira tenha sido o reflexo de todo o campeonato. Vasco e Botafogo fizeram um duelo horroroso, abaixo da linha do patético, que não merecia ser final nem de campeonato de pelada, quanto mais de um campeonato estadual, o que escancara ainda mais o péssimo trabalho de Muricy na Gávea.

Para quem não teve a oportunidade de assistir ao jogo, aconselho a NÃO ver o VT, pois seria um total desperdício de tempo, pois o futebol jogado foi muito pouco. Aliás, literalmente. Quando estávamos nos acréscimos, a Rede Globo mostrou a estatística de bola em jogo, que apontava 48% de bola rolando e 52% de bola parada. Isso mesmo! A bola ficou mais tempo parada que em jogo. A Fifa recomenda que o jogo tenha em média 2/3 do tempo de bola rolando. Talvez, a bola tenha rolado tão pouco pela quantidade abusiva e desrespeitosa de faltas, que extrapolou  limite do número 50. Uma delas, que curiosamente foi mal marcada pelo árbitro, acabou sendo alçada na área por Nenê e cabeceada para o fundo das redes pelo zagueiro Rafael Vaz. O gol do título cruzmaltino.

Aliás, podemos destacar que o Botafogo foi superior na maior parte do confronto disputado, apesar de não ter levantado o caneco. Talvez Ricardo Gomes seja um dos poucos personagens do Cariocão que mereça algum tipo de elogio. Talvez seja ele a peça mais importante que o Botafogo precise manter para a disputa do Brasileirão, campeonato onde parece ter como principal objetivo, fugir do rebaixamento.

Lembro-me que em 2015, quando o Vasco foi campeão, escrevi nessa página que não ser rebaixado no Brasileirão era grande negócio para o cruzmaltino. Parecia loucura dizer isso de um time recém-campeão, mas o fato é que o Vasco acabou caindo. Pois dessa vez, digo que a tendência é o Vasco retornar para a Primeira Divisão sem maiores sustos. Mas digo também que Jorginho passa longe de representar aquilo que penso sobre futebol, e que seu trabalho no Vasco não é dos melhores.

No entanto, em Terra de Muricy, quem tem Jorginho é rei!

quinta-feira, fevereiro 25, 2016

BARCELONA VENCE ARSENAL EM BELO JOGO DE FUTEBOL

Por Danilo Silveira

Arsenal e Barcelona fizeram na última terça-feira o que deles se esperam: um belo jogo de futebol. Foram agraciados com tal evento aqueles que estiveram presentes no estádio Emirates, assim como aqueles que, como este que vos escreve, assistiram na televisão.

Era o sistema defensivo dos Gunners dos mais consistentes dos últimos anos no clube, contra o melhor ataque do mundo na atualidade. Era a paciência do Barcelona para furar uma marcação que era executada de maneira espetacular contrastando com o poder do time londrino em contra atacar em velocidade de maneira constante no jogo. Era o chute de Chamberlain que The Stegen salvou sentado no chão contra o chute de Neymar que parou no gigante Peter Cech. Era um jogo de futebol...na mais pura essência.

E quando se fala em jogo de futebol se trabalha com sorte, azar, erros e acertos. Erro de Suárez ao desperdiçar uma cabeçada livre, de frente para o gol...acerto de Giroud, ao também de cabeça, fazer a bola rumar para as redes, mas acerto maior ainda de The Stegen, que fez essa mesma bola trilhar outro caminho frações de segundos antes da mesma cruzar a linha final.

 Azar do Arsenal em ver no seu adversário um trio MSN...N de Neymar, que puxou um contra-ataque ainda no canto de defesa, S de Suárez, com quem Neymar tabelou antes de arrancar pelo campo ofensivo em direção ao gol...M de Messi, o melhor jogador do mundo, que recebeu o passe de Neymar e teve a calma para dominar e estufar as redes londrinas. Sorte de quem assiste o futebol praticado por esse Barcelona.

Arsene Wenger, o fantástico treinador do Arsenal, disse antes do duelo algo parecido com “o Barcelona é perigoso mesmo quando está sendo dominado”. Pois é. O parágrafo acima descreve de forma breve o primeiro gol do jogo, que aconteceu pouco depois do relógio cruzar a marca dos 20 minutos do segundo tempo. O Arsenal parecia ter o controle territorial da jogada, parecia que retomaria a bola em questões de segundos...Mas no futebol, nem sempre o que parece que vai acontecer, acontece...O Barcelona foi fatal! O mesmo Barcelona que venceu Real Madrid, Bayern, Juventus...faltava o Arsenal. Não falta mais!


Ainda teve tempo para Messi cobrar um pênalti no canto contrário de Peter Cech, para fazer 2x0 e tornar a classificação do Arsenal ainda mais improvável. Se quis o destino que um desses dois times deixasse a competição nas oitavas-de-final, de forma tão precoce para o que ambos podem render, que para compensar ele nos agracie com mais um grande jogo de futebol na segunda metade do confronto, no Camp Nou. O futebol agradece.

quinta-feira, janeiro 21, 2016

FLAMENGO MOSTRA BOM FUTEBOL, BATE SÃO PAULO E CHEGA À SEMIFINAL DA COPINHA

Por Danilo Silveira

Flamengo e São Paulo travaram um duelo bastante interessante pelas quartas de final da Copa SP de Juniores. Duas equipes que tentaram o ataque muito mais pelo chão do que pelo alto, que souberam valorizar a posse, que não abusaram dos chutões nem das bolas alçadas na área. Duas equipes de base que parece que entenderam o que muita equipe profissional não entende: que futebol se joga pelo chão, que pelo alto é vôlei e basquete.

No final das contas, venceu o Flamengo. Com merecimento, pois foi o time mais consistente, que errou menos (os dois gols do Flamengo, ambos marcados por Felipe Vizeu, saíram em erros da defesa são paulina), que soube atacar com inteligência e defender com muita qualidade.

Flamengo esse comandado por Zé Ricardo, treinador que sobe cada dia mais no meu conceito nas atribuições das suas funções. Foi na Copinha do ano passado que o vi pela primeira vez dirigir uma equipe de futebol, ocasião em que o Flamengo não perdeu nenhum jogo, sendo eliminado apenas nas penalidades, pelo Atlético-MG. Por sinal, nesta edição, o Flamengo também está invicto, com 6 vitorias e um empate. São apenas dois degraus que separam o rubro-negro do título. No domingo, a semifinal é contra o América-MG.

Mais que os bons resultados numéricos, fica a impressão que os juniores do time do Flamengo estão em boas mãos. Que fique a dica para atual diretoria rubro-negra, que parece escolher a dedo os treinadores errados para comandar o futebol profissional do rubro-negro. Que o Flamengo organizado, bem estruturado, com equilíbrio defensivo e ofensivo sirva de espelho para o profissional.

Acho muito difícil que em 2016 vejamos o Flamengo profissional apresentar atuações do nível que os garotos da base apresentaram hoje. Muricy Ramalho não me parece o treinador ideal para fazer um time jogar bonito, ser equilibrado e valorizar a posse de bola. Veremos se o tempo afastado do futebol o fez mudar alguns conceitos. Caso não, teremos grandes chances de ver muita bola alçada na área, muito defensivismo e pouco (ou nenhum) futebol bonito dentro de campo.