quinta-feira, março 31, 2011

PRUDENTE DERROTA O GALO E LEVA VANTAGEM PARA MINAS.

Por Marcos Freitas

Definitivamente, a zebra rolou solta na rodada do meio de semana da Copa do Brasil. Jogando no interior paulista, em Presidente Prudente, o Galo foi derrotado pelo Grêmio local por 2 a 1, em partida válida pela 2ª fase da Copa do Brasil.

O jogo, que trazia o lanterna do Campeonato Paulista contra o tradicional Atlético Mineiro, mostrou que o Galo sentia falta dos três atacantes que deixaram o time recentemente (Obina, Diego Tardelli e Jobson). O Prudente, aproveitou ainda a incrível facilidade em penetrar pelas laterais, explorando os atacantes Juan e Eraldo. Em uma destas jogadas, logo no início da partida, Eraldo abriu o marcador para os paulistas, após falha de Rever.

Apesar do gol, o time do técnico Márcio Goiano, encurralava os atleticanos em seu próprio campo, e poderia ter ampliado o marcador, no chute do atacante Eraldo e na bola cruzada de Saldanha, que Juan não conseguiu completar.

Mas, quando o Galo teve a chance de empatar, não desperdiçou. Após lançamento do meio-campo, Magno Alves dominou a bola no peito e, de voleio, fez um lindo gol, sem chances de defesa para Márcio. No entanto, dois minutos depois, o Prudente recolocou a justiça no placar. Em bola cruzada na área, Juan, o melhor em campo até então, fez um bonito gol, deslocando o goleiro Renan Ribeiro: 2 a 1.

No segundo tempo, Dorival tentou reorganizar a equipe colocando o veloz Neto Berola. O Prudente, em compensação, após um ótimo primeiro tempo, cansou e limitou-se a assegurar a segunda partida em Sete Lagoas. Excetuando-se um chute de Neto Berola e uma tentativa de bicicleta do voluntarioso Toró, o Atlético pouco criou.

No final, o 2 a 1 foi justo e deixou a decisão da vaga em aberto

BOLA CASTIGADA EM IBAGUÉ.

Por Danilo Silveira

Ontem a noite, o Tolima, algoz do Corinthians na Libertadores 2011, entrou em campo para enfrentar o tradicional Estudiantes, tetracampeão da competição. O jogo era de vida ou morte, a equipe Colombiana precisava ganhar, caso contrário, estaria fora da disputa. E durante 90 minutos a bola foi castigada pelas duas equipes em um jogo muito ruim, que terminou empatado em 1 x 1, classificando assim os Argentinos.

Gols de bola parada e pouco futebol.

Nos minutos iniciais, o Estudiantes apareceu mais no ataque, tentando sufocar o Tolima. Só que apesar do domínio da partida, nenhuma jogada mais elaborada que resultasse em chance de gol era criada. E o primeiro lance de destaque da partida aconteceu somente aos 20 minutos e para equipe da casa. Medina apareceu pela direita da área e chutou para defesa do goleiro Orión. Um minuto depois o Estudiantes respondeu na bola parada; Desábato subiu sozinho após cobrança de falta mas cabeceou pra fora perdendo incrível chance. Só que dois minutos mais tarde, Benítez cobrou nova falta na área e Fernández deu uma bela cabeçada que tocou no chão e foi parar nas redes Colombianas: 1 x 0. Dentro das 4 linhas, pouca coisa interessante acontecia e o jogo era muito fraco. E aos 30 o gol de empate do Tolima saiu em um lance bisonho: bola alçada na área, Benítez de maneira inexplicável meteu a mão na bola cometendo um pênalti pra lá de infantil. Noguera bateu no canto direito: 1 x 1. O Tolima parece ter se animado e começou a sair mais pro jogo no fim do primeiro tempo, mas o jogo foi mesmo empatado para segunda etapa.

Segundo tempo tão fraco quanto o primeiro.

A segunda etapa foi tão ruim quanto a primeira. Chances de gol escassas, jogadas de habilidade pareciam passar longe da Cidade de Ibagué. O técnico da equipe da casa H. Torres aos poucos foi mexendo na equipe, tirando Murillo para colocar Santoya, Marrugo para entrada de Closa e por último Noguera para colocar Gamarra. Do outro lado, E. Berizzo colocou Barrientos na vaga de González e Stefanatto no lugar de López. Se eu fosse falar aqui apenas das chances claras de gol, provavelmente você, caro leitor, já teria acabado de ler essa matéria. Aos 19, Santoya soltou uma bomba pela direita da grande área, obrigando Orión a fazer grande defesa. Aos 32, contra ataque rápido da equipe Colombiana, Medina invadiu a área e chutou pra fora. E foi basicamente isso.

Mesmo levando em conta o fato de ter muita tradição e impôr muito respeito, o Estudiantes dificilmente vai longe na competição se continuar a apresentar esse futebol tão fraco.

SANTA DERROTA TRICOLOR PAULISTA E LEVA VANTAGEM PARA A VOLTA


Por Marcos Freitas

Foi de emocionar. Diante de casa cheia (fato rotineiro para a torcida do Santa!), o Tricolor coral derrotou o Tricolor Paulista por 1 a 0 no Estádio Arruda para quase 60 mil torcedores.
Para contar a história da partida, teremos que narrar alguns fatos importantes: O Santa Cruz, apesar de líder do Campeonato Pernambucano, vive uma profunda crise, a maior de sua história. Afundado em dívidas, em três anos caiu da 1ª para a 4ª divisão do futebol brasileiro. Mesmo assim, a torcida mais apaixonada do Brasil, não abandonou o time e obteve a melhor média de público em 2010, com mais de 35 mil torcedores por jogo. O São Paulo, seis vezes campeão brasileiro, tricampeão da libertadores e mundial, está em festa com a chegada de Luis Fabiano e pelo centésimo de gol de Rogério Ceni.

Antes do jogo, homenagens para Rogério e Rivaldo, torcedor do time pernambucano. No início do jogo, o Santa mostrou que estava disposto a levar o jogo de volta para São Paulo. O lado esquerdo de ataque com o ala Renatinho e o atacante Landu trazia perigo a zaga do time do Morumbi. No entanto, as melhores chances vinham do São Paulo. Com Lucas bem marcado, era dos pés de Dagoberto que surgiam as melhores jogadas. Em uma delas, fez boa jogada pelo lado esquerdo e a bola sobrou para Rivaldo que, de voleio, chutou para boa defesa de Tiago Cardoso. Mas, em um jogo equilibrado, qualquer erro é fatal. E após jogada individual de Gilberto a bola resvalou em Rodrigo Souto e caprichosamente entrou no fundo do gol de Rogério. O Arruda veio abaixo.

No segundo tempo, Carpegiani tentou colocar mais ofensividade ao São Paulo, e o jogo virou ataque contra defesa. Dagoberto destacava-se pelas jogadas individuais e mostrou que deve ser o companheiro de ataque de Luis Fabiano. Por pelo menos duas vezes, obrigou o goleiro coral a fazer duas grandes defesas.

Com o apito final, uma explosão de alegria tomou conta dos sofridos corações dos torcedores do Santa Cruz. O time, que eliminou o Botafogo ano passado, busca repetir a façanha, mais complicada, nesta edição. Confiança, certamente é o que não falta a parte tricolor de Pernambuco.

terça-feira, março 29, 2011

QUANDO A PAIXÃO ATRAPALHA.


Texto extraído do Blog do Rica Perrone: http://www.ricaperrone.com.br/

Por Rica Perrone

Ninguém ensina torcedor a torcer. Alguns torcem mais, outros menos. Alguns fazem do clube sua vida, outros fazem dele até um “negócio”. Entre bons e maus torcedores, existe um grupo que merece todo respeito, que não vive disso, mas que é doente por isso. Paixão nunca é crime. E os fanáticos rubro-negros, cartão postal de um país, exageram sempre para os dois lados. Desta vez, pro lado errado. O Flamengo está buscando um time, uma formação e testando tudo que pode para encontrar suas falhas e, então, corrigi-las. Seja com reforços, seja em casa mesmo. Usa o estadual, com toda razão. Ainda assim, em testes, ganha e já está na final. Não dá show, alterna entre boas e más apresentações, o que é normal pra todos os times do país neste momento. Ninguém, nem o Santos, nem o atual campeão Flu, está jogando regularmente e com o time formado. Não será o Flamengo, com peças novas e posições carentes que estará voando em março.


Enfim. Querem Adriano? Ok. O Flamengo, e isso não diz respeito apenas ao Luxemburgo, mas sim ao clube, não quer. Luxemburgo dá palpite. Patricia e os seus ouvem se quiserem. Nenhum técnico do mundo compra ou vende jogador. Ele, no máximo, indica. Quem faz isso é diretoria, e quem nega está apenas tirando da reta. Você quer o Adriano? Eles não. É direito seu querer, deles em não querer. A diferença é que São Paulo e Flamengo, clubes que tiveram o jogador recentemente e com bom desempenho, não o quiseram. Isso indica que com conhecimento de causa muito acima do seu e do meu, eles estão pensando parecido. Podem estar certos, errados, mas tem mais base de avaliação do que nós. Repito: Eu também contrataria o Adriano. Mas não acho um crime não contratar. “Fora Luxa”? Em março, invicto? O que vocês tomaram? Cachaça logo cedo ou pancada na cabeça? Estão no direito de protestar, mas também deveriam manter o direito de raciocinar. Se no Flamengo gol de pênalti é gol de placa, qualquer protesto vira crise. O aumento é pro lado bom e pro ruim.


E o que estão fazendo nada mais é do que um enorme tiro no pé. Queriam? Ok. Ouviram. Não trouxeram, ele é do Corinthians, tem 29 anos, jajá ele volta. Vai continuar o “protestinho”? Faça-me o favor. Vai transformar a vida de um técnico consagrado em um inferno porque ele achou que o Flamengo de 2010 não cabe no de 2011, como você também achou quando perdeu a Libertadores? Aquele jogador que você vaiou no Maracanã e culpou pelo eterno “oba-oba” que vivia o clube pode ser seu ídolo. Mas não pode estar acima do clube. Quer? Pede. Não deu? Ok, apoia quem ficou. O Adriano não é o salvador da pátria do Flamengo, que tem jogadores de altíssimo nível em seu elenco, capazes de resolver isso sozinho.


A cega e alucinada paixão do rubro-negro, que tantas vezes vira jogos impossíveis num Maracanã lotado, também é capaz de colocar crise e pressão num ambiente perfeito e harmonioso. Um dia é a imprensa, no outro é o técnico, no outro a direção. Agora que os 3 estão de acordo, vai você começar uma crise na gávea, torcedor? Não acho inteligente. abs,

domingo, março 27, 2011

APÓS BOM PRIMEIRO TEMPO, JOGO CAI DE PRODUÇÃO E VASCO E FLU NÃO SAEM DO ZERO.

Por Danilo Silveira

Vasco e Fluminense entraram em campo precisando mostrar serviço para as suas torcidas. Depois de um péssimo começo de temporada e uma melhora com a chegada de Ricardo Gomes, o Gigante da Colina tinha que passar confiança à torcida. Já o Tricolor das Laranjeiras tinha a missão de aumentar as esperanças de seus torcedores de um futuro melhor após a saída de Muricy.

Ritmo bom na primeira etapa.

A bola rolou e parecia que o Vasco tomaria conta das ações. Mas logo, o Flu passou a dominar o jogo. Souza aparecia bem, Émerson dava sinais de que poderia ser aquele Sheik incansável, com muita disposição. Até a parada técnica, o Tricolor criou três boas chances, mas não conseguiu abrir o marcador. Primeiro, Conca arriscou um chute que Fernando Prass defendeu no canto esquerdo. Depois, Souza apareceu pela esquerda e cruzou achando Émerson livre no segundo pau, só que o atacante pegou mal na bola. E no último lance antes do árbitro indicar a parada técnica, escanteio da esquerda, Valencia desviou de cabeça e por pouco Fred não completou no segundo pau. E podemos chamar essa parada técnica de divisor de águas da primeira etapa. O Vasco voltou com outra cara, Diego Souza e Bernardo começaram a aparecer e o Flu não conseguia sair. Aos 21, Diego Souza sofreu pênalti de Valencia pela direita da área, mas o árbitro ignorou. Pouco depois, Bernardo cobrou falta de muito longe, obrigando Berna a trabalhar. E em mais duas oportunidades, o Gigante da Colina chegou com perigo. Primeiro um contra ataque originado em erro de passe de Conca terminou com Éder Luís carimbando o travessão e próximo ao apito final, Bernardo chutou para defesa de Berna após boa troca de passes da equipe vascaína.

Muitos erros e nada de gols.

Se a primeira etapa foi movimentada, corrida e bem disputada, a segunda não. Deco entrou na vaga de Souza e com apenas um minuto de partida, a bola passou pelo pé de Émerson, Deco e chegou até Fred que arriscou à esquerda do goleiro vascaíno. As chances de gol não apareciam e o que mais se via em campo eram substituições, jogadas sem sequência, excesso de faltas, jogo truncado. Mesmo assim, ainda dava pra dizer que o Vasco era melhor. Aos 13, novo pênalti ignorado a favor do Vasco: Digão empurrou Éder Luis e nada foi assinalado. Aos 15, Ricardo Gomes tirou Bernardo e promoveu a estréia de Alecsandro. E pouco depois da parada técnica, a melhor chance do jogo: lançamento primoroso deixou Éder Luis cara a cara com Ricardo Berna o jogador executou um chute horrível. Edinho entrou na vaga de Digão que sentiu cãimbras, e Ricardo Gomes lançou Jefferson na vaga de Felipe. Pouco tempo depois, novas mexidas: Araújo na vaga de Sheik e Leandro no lugar de Éder Luis. Nos minutos finais, o Vasco parece ter cansado, a equipe não manteve a pegada com as substituições e o Fluminense, quase nulo no ataque nos últimos minutos, começou a aparecer tentando finalizações de fora da área. Primeiro, Deco chutou para defesa de Prass, depois foi a vez das tentativas de Júlio César e Conca, só que a bola não teve o endereço do gol. O último grande lance aconteceu quando Júlio César recebeu pela esquerda dentro da área e finalizou cruzado para defesa do goleiro vascaíno. Assim, chegou ao fim um empate pior para o Flu que para o Vasco.

A equipe Cruzmaltina é líder do seu grupo, empatada em pontos com Boavista e Americano, enquanto o Flu está fora da zona de classificação para as semifinais em seu grupo. Vale destacar que dos 4 grandes do Rio, apenas o Flçamengo balançou as redes nessa rodada.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 0 X 0 VASCO Local: Estádio Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ) Data: 27 de março de 2011 (Domingo) Horário: 18h30(de Brasília) Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ) Assistentes: Rodrigo Joia (RJ) e Rodrigo Correa (RJ) Cartões Amarelos: Conca, Diguinho, Deco(Flu); Eduardo Costa, Alecsandro(V) FLUMINENSE: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Digão(Edinho) e Julio Cesar; Valencia, Diguinho, Souza(Deco) e Darío Conca; Emerson (Araújo)e Fred Técnico: Enderson Moreira VASCO: Fernando Prass, Allan, Dedé, Anderson Martins e Márcio Careca; Eduardo Costa, Rômulo, Felipe(Jéferson) e Bernardo(Alecsandro); Eder Luis(Leandro) e Diego Souza Técnico: Ricardo Gomes

'NEYMARAVILHA' DE ATUAÇÃO!

Por Leandro Moraes

Jogando no estádio do Arsenal, o Brasil venceu a Escócia sem dificuldades por 2x0, com dois gols do Neymar. Foi a terceira vitória da seleção na "era Mano".

Como em todos os amistosos, o jogo começou morno. O Brasil tinha posse de bola, rondava a área adversária. A primeira chegada foi com o volante Lucas, que arriscou de longe, mandando por cima, logo aos 4 minutos.

A seleção usava muito os lados. André Santos e Neymar pela esquerda e Elano, Jádson e Daniel Alves pela direita eram boas opções de ataque e com isso confundia a defesa adversária. Numa dessas jogadas, Daniel Alves cruzou e Ramires, cabeceou por cima do gol.

O estreante Leandro Damião apareceu bastante no primeiro tempo. Aos 19 minutos, cabeceou livre no travessão após escanteio cobrado por Elano. Quatro minutos depois, novo cruzamento de Elano e o "camisa 9" cabeceou todo desengonçado. E aos 26, aproveitando jogada pela direita, tentou de puxeta, mas a bola foi pra fora.

A Escócia só apareceu no primeiro tempo uma vez, aos 34 minutos com Whittaker, que aproveitou cruzamento de Adam e cabeceou pra fora, sem perigo.

Até que Neymar apareceu! Depois de passar o primeiro inteiro se esforçando e apanhando muito, o camisa 11 aproveitou cruzamento de André Santos e, de chapa, marcou com categoria. Fim de primeiro tempo e resultado merecido.


O Brasil voltou o segundo tempo com tudo e quase ampliou em duas oportunidades seguidas. Logo aos 40 segundos, Neymar arrancou e chutou de fora da área, mas a bola passou perto, resvalando no travessão. No lance seguinte, a defesa saiu jogando errado, Ramires recuperou, tocou pro meio da área, o goleiro tirou pro meio da área e dividiu com Leandro Damião, evitando o 2º gol e se redimindo do erro.

Aos 7 minutos, boa jogada de dois destaques da partida: Após bela jogada, Daniel Alves foi a linha de fundo e rolou pra trás, pra chegada de Ramires, que chegou isolando.

Mano colocou o meia Lucas no lugar de Jádson. O craque são-paulino estreava na seleção principal e em sua primeira chance, deixou Neymar em boas condições. O santista driblou o zagueiro e foi derrubado. Pênalti bem marcado e cobrado com categoria pelo prório camisa 11. Bola para um lado, goleiro para o outro e 2x0.



Após o segundo gol, Mano resolveu mexer mais na equipe. Colocou Jonas, Elias e Renato Augusto e o jogo deu uma esfriada. A Escócia em nenhum momento ameaçou. O Brasil só perdeu mais uma chance, com Jonas, aos 45 minutos, quando recebeu passe de Lucas e, livre, finalizou por cima.

Vitória tranquila da nossa seleção. Mesmo apanhando muito e vaiado, Neymar foi o grande nome, com ótima atuação e dois gols. Jogador tem amadurecido cada vez mais e será nome certo na Copa América.



ATUAÇÕES - BRASIL

JÚLIO CÉSAR - Um mero espectador na partida, só fez uma defesa, numa cobrança de falta, aos 43 minutos do segundo tempo.

DANIEL ALVES - Grande partida do lateral do Barcelona. Chegando bem ao ataque, foi sempre uma ótima opção. Impressionante sua capacidade de dar bons passes. Barrou Maicon.

LÚCIO - Volta tranquila do capitão. Sem trabalho, jogou sério como sempre e arriscou suas famosas arrancadas.

THIAGO SILVA - Cada vez mais titular, jogou bem e tem tudo pra crescer ao lado de Lúcio. Leva vantagem por jogar nos dois lados da defesa.

ANDRÉ SANTOS - Apesar das críticas, participou bem do jogo, principalmente no primeiro tempo, onde se entendeu bem com Neymar. Mas ainda não é pra ser titular.

LUCAS LEIVA - Passou a jogar como primeiro volante e tem ido muito bem. Não tem muito corpo, mas compensa com bom posicionamento e toque refinado. Se arriscou na frente também.

RAMIRES - Talvez tenha sido sua melhor partida pela seleção! Seja aparecendo bem no ataque ou ajudando Lucas na marcação, foi muito bem e vem ganhando moral. Boa fase no Chelsea ajuda.

ELANO - Outro que voltou pra seleção e foi bem novamente. Aberto pela direita, ajudou nas subidas de Daniel Alves e levou perigo nas bolas paradas. Sumiu um pouco na segunda etapa.

JÁDSON - Destoou do restante de equipe. Tomou a vaga de Renato Augusto no treino e por isso esperava-se mais dele. Aberto pela direita, sumiu e perdeu boa chance no primeiro tempo.

NEYMAR - O nome do jogo! Dois gols, boas jogadas, mostrou personalidade e aberto pela esquerda, criou as principais jogadas. Tem tudo pra crescer e ser o nome dessa renovação.

LEANDRO DAMIÃO - Não sentiu o peso da estreia. Bom posicionamento, se esforçou muito e perdeu boas chances, sendo que uma delas, acertou a trave. Merece voltar.

LUCAS - Um pouco nervoso no início, se acalmou e foi bem nos minutos em campo. Duas lindas arrancadas e deixou Jonas na cara do gol. Figurinha carimbada nas próximas convocações.

JONAS - Outro que estreou na seleção e teve duas boas chances de marcar. Principalmente aos 45 minutos, quando na cara do gol, isolou.

ELIAS - Entrou no fim, pouco acrescentou.

SANDRO - Também entrou no fim e pouco pôde fazer.

RENATO AUGUSTO - jogou apenas 2 minutos, nem tocou na bola.


ESPERO QUE TENHAM GOSTADO E QUE COMENTEM...ATÉ A PRÓXIMA!

sábado, março 26, 2011

SEM JOEL, SEM LOCO ABREU E SEM GOLS.

Por Danilo Silveira

Há mais de um ano o Botafogo se acostumou com a presença de Loco Abreu dentro das 4 linhas e de Joel Santana à beira do campo dando instruções. E hoje a equipe não contava com nenhum dos dois, já que o treinador pediu demissão e o Uruguaio estava servindo à sua seleção. Sob olhares de Caio Júnior, escolhido para ser o novo treinador, a estrela solitária do Botafogo não brilhou e a equipe empatou sem gols com o perigoso Boavista, em Macaé.

Além de Loco Abreu, a equipe tinha outros desfalques importantes como Herrera e Jefferson. Sendo assim, o meia Fabricio e o atacante Willian apareciam entre os titulares. E a partida começou equilibrada. A primeira chance de destaque ocorreu quando pela esquerda de defesa, Julio Cesar falhou e a bola sobrou para Somália, que chutou cruzado, com a redonda passando à esquerda do goleiro Thiago. Aos 11, o Boavista respondeu em bela jogada de André Luis pela direita; ele deu um drible da vaca em Márcio Azevedo, mas finalizou pra fora. Após a parada técnica, o Glorioso começou a acelerar mais as jogadas e chegar mais ao ataque, mas faltava qualidade ao meio campo. Fabricio não aparecia muito e Somália não tem cacuete para ser um armador de jogadas, apesar de chegar à frente com qualidade. O Botafogo quase chegou ao gol em chute de Caio, que bateu na marcação e saiu e depois em cruzamento de Márcio Azevedo na área, quase que Paulo Rodrigues fez contra; a bola tocou nele e quase pegou Thiago no contrapé, mas o goleiro conseguiu afastar. Sem muitas chances de gol, a partida foi zerada para o intervalo.

Eu acreditava que se o Botafogo demonstrasse o futebol da segunda metade da primeira etapa nos 45 minutos finais sairia com a vitória, mas a segunda etapa começou mais equilibrada. O Boavista parece ter tomado coragem e começou a sair mais para o jogo. O primeiro lance que destaco foi quando Caio foi ao chão próximo a entrada da área, mas a bola sobrou para willian, que chutou travado. Aos 10, uma jogada de habilidade; Marcado por 2 jogadores, Max chapelou Marcello Mattos e tocou para Everton Silva que ao tentar pegar de primeira com a canhota mostrou não ter muita intimidade com aquela perna, dando uma bela de uma furada. No Boavista, Fabio Fidelis entrou na vaga de Erick Flores. E dois minutos depois o jogador arriscou pro gol e fez o goleiro Renan trabalhar. Nos minutos seguintes, uma série de substituições. Pelo Botafogo, entraram Jairo e Guilherme para as saídas de Willian e Fabricio, enquanto na equipe de Saquarema entraram Roberto Lopes e Raphael Augusto para as saídas de Paulo Rodrigues e Leandro Chaves. Nos minutos finais, Caio teve duas grandes chances de empatar. Primeiro, após escanteio cobrado pela direita, a redonda foi desviada e sobrou para ele no segundo pau, só que ao dominar, a bola subiu e Thiago saiu para atrapalhar a finalização do atacante, que foi pra fora. Depois, Somália deixou o talismã na cara do gol, só que a marcação chegou, mesmo assim ele cortou dois marcadores e chutou para defesa de Thiago. Aos 40, Fabio Fidelis quase complicou ainda mais as coisas pro Alvinegro ao dar um chute cruzado na direção do gol, mas Renan conseguiu tirar e evitar o pior. Com o fim da partida se aproximando, a torcida alvinegra escolheu Márcio Azevedo (que foi muito mal) pra Cristo e começou a vaiar o jogador quando ele pegava na bola. Final de partida e mais vaias.

Os dois grupos estão bem embolados e Botafogo e Boavista somam 10 pontos. Só que o Alvinegro é vice líder pois o Olaria soma 12 e já o Boavista é líder mas pode ser ultrapassado por Flamengo e Vasco amanhã, no complemento da rodada.

quinta-feira, março 24, 2011

GALO ENFRENTA DIFICULDADES E SÓ EMPATA COM UBERABA.

Por Danilo Silveira

Ontem, antes de entrar em campo para enfrentar o Uberaba, o Galo Mineiro tinha um jogo e três pontos a menos que o Cruzeiro. Portanto, uma vitória faria a equipe empatar com a Raposa na tabela de classificação. Porém, sem criatividade, a equipe de Dorival Junior apenas empatou a partida.

O duelo começou e o Atlético foi se mostrando disposto a ficar com a posse de bola no ataque, enquanto um retrancado Uberaba tentava dificultar a criação das jogadas do adversário. Renan Oliveira, sumido no jogo e Ricardinho, bem mais presente na partida, eram os dois homens de meio de campo. Na frente, Jóbson corria bastante enquanto Ricardo Bueno fazia o papel de centroavante. Richarlyson estava jogando de lateral esquerdo e arriscava algumas boas investidas ao ataqueA posse de bola não transformava-se em chances de gol e o Galo enfrentou muitas dificuldades. O Uberaba raramente passava do meio campo e assim o jogo foi se arrastando até o intervalo.

Talvez percebendo que sua equipe precisa ser mais incisiva, Dorival lançou Mancini para a segunda etapa, na vaga de Toró. O segundo tempo começou com a mesma tônica, só que as três minutos, Réver falhou no campo defensivo, Rômulo arrancou pela esquerda e arriscou um chute para boa defesa de Renan Ribeiro. E pouco depois, aos 4, saiu enfim o gol do Galo. Jóbson cruzou da direita e Ricardo Bueno executou uma bela cabeçada no canto esquerdo do goleiro para abrir o placar. Só que a torcida do Galo teve pouco tempo de comemorar, pois aos 8, bola alçada na área e ajeitada para Bruno chutar, o Renan Ribeiro até defendeu, mas no rebote Bruno completou para as redes. Três minutos mais tarde, o Galo quase voltou a estar na frente quando Réver cabeceou uma bola no travessão. Mancini, que entrou após o intervalo se machucou e precisou ser substituído e Dorival decidiu tirar Jóbson também. Magno Alves e Neto Berola foram a campo. Aos 13, Cristiano Brasília cobrou falta com perigo à esquerda de Renan Ribeiro. E Berola mostrou bastante movimentação ofensiva, mas foi pouco para o Galo quebrar um Uberaba fechadinho. Os minutos foram se passando e nada de gols. E aos 28, o Uberaba quase virou a partida em cabeçada no poste de Renan Ribeiro. Quando o apito final chegou, o placar apontava 1 x 1.

Diante de um Cruzeiro voando, se o Galo não melhorar muito vai ser difícil levar o título Mineiro.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 1 UBERABA

Local: Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas
Data: 23 de março de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (horário de Brasília)
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (FMF)
Assistentes: Marcus Vinícius Gomes (CBF/FMF) e Janette Mara Arcanjo (CBF/FMF)
Público: 4.263 pagantes
Renda: R$ 20.375,00

Cartões amarelos: Leonardo Silva (Atlético-MG); Ricardo, Felipe, Marcinho e Balduíno (Uberaba)

Gols:ATLÉTICO-MG - Ricardo Bueno aos quatro minutos do segundo tempo
UBERABA - Bruno Campos aos nove minutos do segundo tempo.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Bernard, Réver, Leonardo Silva e Richarlyson; Serginho, Toró (Mancini) (Neto Berola), Ricardinho e Renan Oliveira; Ricardo Bueno e Jobson (Magno Alves)
Técnico: Dorival Júnior

UBERABA: Fernando; Rodrigão, Felipe (Alemão) (Hugo) e Ricardo; Maurinho, Balduíno, Gabriel, Rômulo (Juninho Cearense); Cristiano Brasília e Bruno Campos; Marcinho
Técnico: Nenê Belarmino

A CORAGEM SUPEROU O MEDO DO PASSADO: O FLU ESTÁ VIVO NA LIBERTADORES!

Por Danilo Silveira

Acho que um novo Fluminense começa a nascer. E a torcida deve estar feliz, pois isso aconteceu antes da equipe dar adeus à Libertadores.

Começei a assistir ao jogo ao 5 minutos da primeira etapa, em um bar, antes de chegar em casa. Logo vi que o Fluminense era refém de Muricy Ramalho. Um time sem criação, sem inspiração, mas mostrando muita vontade. Porém, quando Digão e V. Sánchez disputavam bola no campo de ataque mexicano, Berna resolveu sair do gol, mas atabalhoado, se jogou em cima dos dois jogadores e quando caiu, soltou a bola e V. Sánchez tocou para o gol vazio e abriu o placar. O Flu tentava, mas esbarrava em erros de passe. E o empate saiu como Muricy parece mais gostar. Chuveirinho na área e Gum meteu a cabeça na bola que foi pra dentro das redes. A equipe tricolor começou a manter a bola no campo de ataque e sufocar o América, mas entre a área ocupada por Ricardo Berna e o meio campo havia um vão, onde os jogadores do América apareciam com perigo em contra ataques. O primeiro tempo chegou ao fim e tomei o rumo de casa para ver o segundo tempo.

Certo atraso me fez chegar em casa com o relógio marcando 20 e poucos minutos da segunda etapa. E pouco depois, V. Sánchez apareceu pela esquerda, executou um cruzamento/chute que encobriu Berna e foi para dentro do gol, Digão ainda tentou tirar, mas sem sucesso. Era o América novamente à frente. Mas a torcida Tricolor não desistiu, apoiou. Analisando o jogo, me surpreendi quando vi Deco, Conca, Souza, Fred, Araújo e He Man dentro das 4 linhas. Coragem de Émerso, o auxiliar que virou técnico interino, que eu jamais tinha visto em Muricy. Era muita qualidade em campo, um time com vocação ofensiva. E após cruzamento da direita, Araújo cabeceou no canto esquerdo do goleiro para empatar. A torcida inflamou, o Engenhão gritou e a coragem de Émerson foi premiada após um chute pra frente, um desvio de cabeça e um lindo toque por cobertura de Deco. É o Flu vivo na Libertadores, mas pelo que me parece, não o Flu campeão de 2010, mas um Flu muito melhor, com um auxiliar que hoje se mostrou muito melhor que o técnico tetracampeão Brasileiro. Tricolores de todo o Brasil, parecem que novos tempos estão pro vir nas Laranjeiras.

terça-feira, março 22, 2011

GILSON KLEINA: PEITO, MEDO OU JUÍZO?

Por Danilo Silveira

Hoje a tarde, a notícia que estava bombando é que Gilson Kleina era o novo técnico do Fluminense. Porém, pouco tempo depois veio a notícia que o técnico da Ponte Preta recusou o convite do Fluminense. Logo, começei a pensar quais fatores puderam ser preponderantes para ele recusar essa proposta e esse grande desafio.

No Brasil, há técnicos que saem de clubes, rompem o contrato, quando vem uma proposta milionária. Saem, muitas vezes para a Arábia, para ganharem um salário muito maior, ou as vezes, saem até para clubes do próprio brasil que pagam mais. Logo me perguntei: será que Gilson Kleina teve peito de permanecer na Ponte Preta, com o intuito de cumprir o seu contrato até o fim?

Porém, há uma outra hipótese: será que Gilson kleina teve medo de assumir o Fluminense e com isso uma grande responsabilidade? O peso de dirigir uma equipe tão badalada, que é a atual campeã Brasileira pode ter assustado o treinador a ponto dele ter preferido continuar na Ponte, onde creio que a cobrança seja menor.

Por outro lado, Kleina pode ter tido juízo em não assumir o Tricolor. Um clube onde muitos falam que tem uma estrutura ruim, que está em crise, que acabou de mudar a presidência e tem um futuro que só deus sabe qual será. Kleina teria que substituir o técnico tetra campeão Brasileiro e chegaria sem o Status de grande treinador, tão logo, sua estadia poderia ser curta, devido a suposta falta de paciência da torcida, acentuada por se tratar de um técnico que não dirigiu muitos times grandes por muito tempo. Sendo assim, Kleina pode ter dito: "Carregar esse piano, nem ganhando muito bem! Entrega pra outro!"

BENFICA GOLEIA PAÇOS FORA DE CASA PELO PORTUGUÊS.

Por Danilo Silveira

Só um milagre tira o caneco do Campeonato Português do Porto. Hoje, o único time que matematicamente pode tirar o título da equipe do Brasileiro Hulk, entrou em campo: o Benfica. O duelo era fora de casa contra o Paços de Ferreira, um adversários que mostrou vontade, até assustou o Benfica, mas mostrou-se também um time frágil, e no final, goleada dos visitantes.

Benfica começa o jogo de maneira avassaladora.

O relógio marcava três minutos, o jogo ainda estava esquentando quando uma bola foi alçada na área do Paços e inexplicavelmente o jogador Cohene deu um soco em Javi García, cometendo pênalti e recebendo amarelo. Não foi um soco daqueles maldosos para expulsão, mas foi uma atitude um tanto quanto estabanada. Na cobrança, Cardozo bateu no canto direito do goleiro Cássio e abriu o placar. Três minutos mais tarde, Bruno arriscou um chute de longe e a bola passou por cima da meta do goleiro Roberto. Aos 12, Saviola pela ponta direita serviu Aimar que chutou para ampliar: 2 x 0. A principal arma da equipe da casa, talvez até memso pela limitação,e ram os chutes de fora e aos 14 M. Pereira arriscou e Roberto defendeu. Aos 24 a goleada começou a se desenhar: Cruzamento rasteiro da direita, Cardozo ajeitou e Gaitán mandou um lindo chute na gaveta direita, marcando o terceiro. Porém, três minutos depois, o Paços diminuiu: bola alçada na área, Carole cortou mal, para dentro do próprio gol. E dois minutos mais tarde o Paços quase chegou ao segundo em cobrança de falta que explodiu na trave direita de Roberto. Antes do final da primeira etapa, as coisas pioraram para o Paços. Cohene, o mesmo que cometeu o pênalti foi expulso.

Nuno Gomes marca duas vezes e decreta goleada

Com um a menos, o técnico Rui Vitória voltou do intervalo com Bura na vaga de Bruno. E sua equipe até mostrou vontade e equilibrou a partida. Rondon arriscou de fora e Roberto precisou trabalhar, o goleiro do Benfica começava a se destacar na partida. Nova mexida no Paços: saiu Nelson para entrada de Caetano. O tempo foi passando e o benfica parecia satisfeito com os 3 x 1. Aos 20 minutos, Jorge Jesus começou a mexer na equipe, tirando Cardozo para colocar César Peixoto. Pouco depois tirou Gaitán e depois Saviola para as entrada de Carlos Martins e Nuno Gomes, enquanto no Paços a última mexida foi a entrada de Amond para saída de Pizzi. E nos minutos finais, Nuno Gomes apareceu para não deixar o placar em branco na segunda etapa e selar a goleada do benfica. Primeiro ele pegou o rebote do chute de César Peixoto e fez o quarto. E já nos acréscimos, recebeu dentro da área e chutou para fazer o quinto e fechar a conta: Paços 1 x 5 Benfica.




segunda-feira, março 21, 2011

QUARTAS DE FINAL DA CHAMPIONS LEAGUE.


Por Danilo Silveira

Na última sexta-Feira aconteceu o sorteio dos confrontos das quartas de final da Champions League. Pelas equipes que estão na disputa e pela importância de competição, qualquer jogo sorteado seria um prato cheio. Vamos então as análises dos confrontos:

Barcelona x Shaktar Donetsk

Pouco posso falar soube a equipe Ucraniana. Prefiro ver primeiro a atuação para depois comentar. Mas vale afirmar que a equipe passou em primeiro lugar em um grupo que tinha o poderoso Arsenal, sapecou a Roma nas oitavas e conta com Brasileiros no elenco, como pro exemplo Jádson, que foi convocado por Mano Meneses para seleção Brasileira. Agora, a equipe tem uma grande oportunidade para mostrar ao mundo seu futebol. Os Ucrunianos enfrentarão a melhor equipe do planeta, recheada de astros e jogadores renomados. Acho difícil o Barça perder, mesmo sem muito conhecimento sobre o futebol apresentado pelo Shaktar.

Real Madrid x Tottenham

Pode dar uma dos melhores jogos da competição. Depois de ultrapassar a barreira das oitavas, os Galáticos vêm embalados enfrentar um enjoado Tottenham, que possui uma equipe muito qualificada. Vale lembrar que os ingleses classificaram-se em primeiro no grupo da atual campeã Inter e eliminaram o gigante Milan nas oitavas. Exagero de craques em campo e promessa de dois bons jogos. Aposto no Tottenham! Vale lembrar ainda que o vencedor desse confronto enfrenta o vencedor de Shaktar x Barça na semi, isto é, podemos ter Real e Barça.

Inter de Milão x Schalke 04

Podemos afirmar que a Inter de Milão nasceu de novo na Champions após a virada heróica pra cima do Bayern nas oitavas. Contando com talento de Sneijder, Eto'o e companhia, a atual campeã vai pra cima do Schalke para tentar manter vivo o sonho do bi. Pouco posso falar sobre a equipe alemã, que conta com os gols do experiente Raúl. Mesmo sem conhecer muita coisa sobre o Schalke, aposto na Inter.

Chelsea x Manchester United

Só a pronúncia do duelo já é suficiente para deduzirmos que teremos um bom confronto. Recentemente, as equipes estiveram medindo forças no Stamford Bridge e o Chelsea venceu de virada. A equipe do Manchester é muito forte, com bastante consistência defensiva e muita habilidade na frente. O Chelsea, atual campeão inglês também conta com um time forte e creio que possa fazer frente ao United. Promessa de bons jogos. Aposto no Manchester!

Com meus palpites estiverem certos, teremos nas semifinais Barça x Tottenham e Inter de Milão x Manchester United

E vocês, caros leitores, o que acham?

VASCO VENCE UM BAGUNÇADO BOTAFOGO.

Por Danilo Silveira

Joel Santana assumiu o Botafogo no ano passado, após a equipe de General Severiano ser goleada pelo Vasco em um doloroso 6 x 0, no Engenhão. Hoje, lá estavam as duas equipes frente a frente, no mesmo palco, disputando um jogo pela mesma competição. E novamente o Vasco venceu. Não foi uma goleada, mas o 2 x 0 bastou para torcida Alvinegra protestar contra o técnico Joel Santana, que parece já ter vivido dias de mais harmonia com a torcida.

O Vasco contava com a estréia de Diego Souza, e quando a bola rolou o Vasco se mostrou mais no ataque. Aos 2 minutos, falta cobrada na área, Jefferson rebateu mal e a bola sobrou para Éder Luís, que cabeceou para fora. Aos 9, o atacante recebeu belo passe de Bernardo pela direita e chutou para defesa do goleiro Alvinegro. No minuto seguinte, o Botafogo respondeu com um chute do Uruguaio Arévalo, que passou à esquerda de Fernando Prass. Outra chance clara do Vasco saiu quando Eduardo Costa errou um chute pro gol que acabou tornando-se um passe para Diego Souza que não alcançou a bola a ponto de desvia-la para as redes. O botafogo até que equilibrou a partida, mas as melhores chance continuavam sendo a favor do Vasco. Ramon deixou Éder Luis na cara do gol, Jefferson deu o seu canto esquerdo pro atacante e após a finalização fez uma defesa espetacular. Em seguida, o arqueiro Alvinegro, um dos nomes do jogo, defendeu cabeçada de Anderson Martins. Aos 42, Loco Abreu dividiu no alto e a bola encontrou Herrera que chutou para estufar as redes, mas o impedimento foi corretamente assinalado. Assim, o placar foi zerado para o intervalo.

A segunda etapa começou e vale lembrar que o Fluminense e o Flamengo tinham passado a rodada em branco, portanto, se o 0 x 0 persistisse, os grandes passariam a rodada em branco. Mas aos 13, joão Felipe falhou feio ao tentar cortar uma bola na defesa, a redonda sobrou para o iluminado estreante da noite; Diego Souza cortou Jefferson e chutou para abrir a contagem. Diante de um placar adverso e uma equipe sem criação, o que Joel resolveu fazer foi tirar seus alterais Márcio Azevedo e Lucas para lançar Marcelo Mattos e Caio. Juro para vocês que não entendi, mas vamos prosseguir falando do jogo. Escanteio cobrado da direita, após o desvio Éder Luis acertou uma bela bicicleta e ampliou a contagem para o Vasco. Se as coisas já estavam difíceis para o Botafogo, piorou ainda mais. Joel chamou Alex para entrar em campo e creio que fosse tirar um volante, mas Éverton pediu para sair, e assim a substituição foi feita. Talvez sem saber do pedido de Éverton, a torcida Alvinegra começou a protestar contra o técnico Joel Santana Enquanto isso, os minutos passavam e no Vasco Leandro já tinha entrado e pouco depois foi a vez de Felipe Bastos. Jefferson ainda interviu em conclusões de Diego Souza e Bernardo, que poderiam ter tornado o placar mais elástico ainda. Cheio de volantes, mas com sua equipe marcando mal, atrás no marcador coma torcida protestando, Joel ainda viu as coisas piorarem quando foi expulso de campo. Curioso foi que quando o árbitro se aproximou do técnico, a própria torcida alvinegra gritou pedindo a sua expulsão. Ironicamente, a equipe melhorou sem joel e quase diminuiu nos minutos finais.

Loco Abreu, um dos mais respeitados jogadores do Botafogo, foi questionado ao final da partida sobre a atuação da equipe. De forma sensacional, o Uruguaio disse que não responderia a questão, pois a última vez que isso aconteceu gerou confusão. Deixo duas perguntas no ar: Diego Souza dará certo no Vasco? Joel Santana será o treinador da equipe ao final do Estadual?

quinta-feira, março 17, 2011

SPARTAK VENCE O AJAX COM TRANQUILIDADE E AVANÇA.

Por Danilo Silveira

Pelo duelo entre duas equipes que ficaram na 3ª colocação nos grupos da UEFA Champions League, Spartak Moscou e Ajax fizeram hoje o jogo de volta. Além da vantagem do mando de campo, o Spartak tinha vantagem no placar, já que venceu o jogo de ida por 1 x 0 na Holanda. E hoje, nova vitória da equipe, por 3 x 0.

A equipe Russa tomou a iniciativa do jogo logo nos primeiros minutos. Aos 3, Makeev arrancou pelo meio dos marcadores e saiu na cara de Verhoeven, que realizou boa defesa com o peito. Aos 10, a equipe russa quase abriu o placar em chute pra fora. Aos 20, a superioridade no futebol apresentado começou a se refletir no marcador. Alex recebeu próximo de área e achou D. Kombarov livre na esquerda, o jogador chutou e abriu a contagem. Três minutos mais tarde, o Ajax respondeu em chute de Eriksen, que passou por cima da meta defendida por Dikan. Aos 29, Welliton recebeu pela esquerda e chutou cruzado para ampliar e dar folga para o Spartak no marcador: 2 x 0. O Ajax, comandado pelo ex jogador F. de Boer, até que tentava, mas não conseguia ameaçar a meta de Dikan com frequência. Aos 43, Alex arriscou de de fora e Verhoenven evitou o que seria o terceiro gol russo. Mesmo assim o Spartak, recheado de Brasileiros, foi para o intervalo com boa vantagem.

Para a segunda etapa, F. de Boer lançou Ozbiliz e Enoh nas vagas de Blind e Sulejmani. O Ajax voltou melhor, mais presente no campo de ataque, mas aos 9, Alex cobrou falta muito bem e marcou o terceiro para os donos da casa. Nesse instante, o Ajax precisava de 4 gols para conseguir a classificação. Mesmo assim, a equipe holandesa começou a tomar conta do campo de ataque e assustar a meta de Dikan. Aos 13, Eriksen arriscou e a bola tocou no travessão e saiu. Aos 16, novamente Eriksen apareceu, mas dessa vez foi a vez de Dikan trabalhar e evitar o gol. Aos 18, F. de Boer lançou Cvitanick na vaga de Eriksen e 4 minutos mais tarde, o Brasileiro Ari entrou no Spartak na vaga de McGeady. Realmente não era o dia do Ajax, aos 26, Ozbiliz arriscou e a bola novamente tocou o travessão. Três minutos mais tarde o Argentino Cvitanich, que entrou minutos antes, quase marcou o primeiro gol do Ajax, mas Dikan novamente evitou. Aos 37, um dos nomes do jogo, Alex, deu lugar a Dzyuba. Antes do apito final, Welliiton quase fez o quarto, mas a bola tocou na trave. Isso nada alterou o confronto e o Spartak está classificado para às Quartas.

O sorteio das Quartas de Final, tanto da UEFA Europa League quanto da UEFA Champions League, acontecem amanhã de manhã.

RONALDINHO PARTICIPA DE TODOS OS GOLS E FLA ELIMINA FORTALEZA.


Por Danilo Silveira

O Flamengo não encantou, não fez uma bela partida, mas a consistência da equipe, atrelada ao talento dos jogadores, culminou na vitória da equipe por 3 x 0 sobre o Fortaleza. Com esse placar, a equipe da Gávea eliminou o jogo da volta e está nas oitavas da Copa do Brasil.

Castelão lotado, festa da torcida. A bola rolou e um empolgado Fortaleza veio pra cima. Logo aos 2 minutos, Bismarck arriscou de fora para excelente defesa de Felipe. O tempo foi se passando e o Rubro Negro não se encontrava em campo em um jogo muito faltoso. Até que aos 20, Ronaldinho lançou Thiago Neves na esquerda da área, o meia rubro negro ajeitou para trás para o canhoto Renato Abreu soltar uma bomba de direita e abrir a contagem. O jogo era equilibrado a essa altura, mas sem muitas chances de gol. O Fla marcava com muita aplicação, Thiago Neves se destacava pelo bom preparo físico. Pelo lado do Fortaleza, Luciano Henrique e Bismarck lutavam. Assim, o rubro negro carioca foi par ao intervalo à frente no marcador.

A segunda etapa começou com as equipes sem alterações. Em 5 minutos, o Fortaleza deu três chutes, dois defendidos facilmente por Felipe e um pra fora. Aos 9, Luxa tirou Egídio, que errou demais, para colocar Ronaldo Angelim, ídolo no Fortaleza, sempre muito aplaudido pela torcida local. Na equipe da casa, Léo Andrade cedeu lugar para Tatu. E aos 14, Ronaldinho recebeu na esquerda, cruzou para Thiago Neves, que tentou um voleio que acabou sendo um passe para wanderley escorar de cabeça para as redes e sair correndo comemorando o segundo gol rubro negro. Aos 20, Adriano Pimenta entrou na vaga de Luciano Henrique. O resultado nesse momento eliminava o jogo de volta e o Fortaleza corria em busca do seu primeiro gol no jogo. Só que o Flamengo mostrava-se consistente, firme. Luxa sacou Wanderley para entrada de Botinelli e pouco depois a última alteração dos donos da casa: Eduardo na vaga de Bismarck. Aos 38, Diego Maurício, o Droguibinha entrou no lugar de thiago Neves, que deveria estar exausto nessa hora, já que correu demais durante o jogo. E antes do apagar das luzes, Ronaldinho serviu o Droguibinha, que girou em cima da marcação e chutou para fechar a conta: Flamengo 3 x 0 Fortaleza.

Percebe-se que o Flamengo consegue vencer mesmo sem jogar tudo que pode. Uma equipe reformulada de 2010 para 2011, que tem tudo para brilhar muito esse ano, nos gramados do Brasil afora.

terça-feira, março 15, 2011

COM ETO'O DECISIVO, INTER DE LEONARDO DERROTA BAYERN E AVANÇA.

Por Danilo Silveira

Inter de Milão e Bayern de Munique fizeram hoje um dos jogos mais eletrizantes, emocionantes e bem jogados dos que eu vi nessa champions League. Na Allianz Arena, pura emoção até o fim, e quando o árbitro apitou o final da partida, os Italianos estavam classificados: 3 x 2.

Logo aos 3 minutos de partida Stankovic deixou Eto'o, em posição muito duvidosa (acho que estava impedido revendo o lance), na cara do gol e o camaronês chutou para abrir o marcador. Início de partida e não havia mais vantagem do Bayern. Só que em campo, a equipe alemã passou a dominar o jogo. Mario Gomez, Ribery, Robben e companhia causavam momentos de pânico apra defesa adversária. Aos 20, Robben arriscou de fora e Júlio César falhou novamente (já tinah falhado no jogo de ida) rebatendo para frente. Logo, o goleiro tentou ir atrás da bola e Mario Gomez, de costas para o gol, deu um tapa que encobriu o brasileiro para empatar a partida. O holandês Arjen Robben era o melhor jogador em campo. Ajudava, e muito, o Bayern a criar chances. E aos 30, ele tentou enfiada de bola, Thiago Motta cortou mas a redonda chegou até o alemão Muller, que completou para as redes para virar a partida. E os 15 minutos restantes foram um deus nos acuda na zaga da Inter. Ribery por muito pouco não ampliou em arrancada na esquerda que terminou em defesa de Júlio César. Aos 39, bola alçada na área, Júlio César saiu mal, a bola chegou no segundo pau para Mario Gomez completar, só que incrivelmente a redonda ficou pereerecando em cima da linha, até Ranocchia e Muller chegarem de carrinho; o zagueiro tocou primeiro mas a bola resvalou em Muler e mais incrivelmente ainda, tocou na trave. Antes do intervalo, Ribery tocou da esquerda pro meio, a bola desviou na amrcação e sobrou para Robben, que bateu pra fora. O intervlao chegou em um momento crucial para a Inter de Milão.

A segunda etapa começou e com cinco minutos, Phillipe Coutinho entrou no lugar de Stamkovic. O Brasileiro aprecia estar mal, errando jogadas aparentementes bobas. Só que aos 17, ele tocou para Eto'o, que ajeitou para Sneijder bater no canto direito de Kraft e empatar a partida. O gol mudou completamente a partida. A Inter passou a dominar as ações, o Bayern tentava não se acuar, mas tinha dificuldades em sair pro jogo. Aos 21, Pandev recebeu na frente, dominou no peito, girou e bateu por cima. No minuto seguinte, um duro golpe para o time alemão: Arjen Robben deixou o campo para entrada de Altintop. Não tenho nenhuma notícia sobre contusão do meia, mas creio que algum problema o tenha tirado do jogo, já que era o melhor jogador da equipe até então. Logo em seguida, Van Gall tirou Van Buyten para colocar Badstuber. Pandev arriscou de fora da área e a bola saiu à esquerda. O gol da Inter parecia maduro e aos 27 quase siau em chute cruzado de Sneijder pela esquerda, só que a bola saiu. Leonardo lançou Nagatomo em campo na vaga de Chivu aos 41. E dois minutos mais tarde, bola pelo alto no campo de ataque, Eto'o ganhou de Breno e tocou para Pandev soltar a bomba e colocar a Inetr nas quartas de final, para delírio do técnico Leonardo.

Um pecado o Bayern sair da UEFA Champions League tendo feito dois jogos bons, só que futebol é assim. As chances desperdiçadas na primeira etapa fizeram muita falta. É a atual campeã européia chegando!

domingo, março 13, 2011

O ADEUS DE MURICY AO FLUMINENSE.

Por Danilo Silveira

Quero deixar claro para os leitores, que não sei o que se passa internamente no Clube Fluminense Futebol Clube, sendo assim, tudo que abaixo vou descrever é baseado em análises da equipe dentro das 4 linhas, deixando no ar algumas perguntas reflexivas, que nem eu sei a resposta.

Hoje, Muricy Ramalho pediu demissão do Fluminense. Em sua passagem que durou menos de um ano, ele conseguiu começar e terminar apenas uma competição, justamente a que ele foi campeão: o Brasileirão 2010. Na Copa do Brasil do mesmo ano, pegou o jogo de volta pelas quartas de final pouco depois de assumir e foi eliminado. No carioca deste ano, foi eliminado da Taça Guanabara na semifinal para o Boavista. E na Libertadores, empatou duas vezes e perdeu uma, deixando a equipe em situação muito delicada. Esses são os resultados, mas abaixo vamos as análises mais aprofundadas.

Muricy chegou ao Tricolor das Laranjeiras para substituir Cuca, um dos personagens da arrancada do Flu em 2009, que evitou o rebaixamento da equipe para a segunda divisão. Muricy não conseguiu triunfar nos primeiros duelos, mas logo começou a vencer e o Flu foi subindo na tabela. Jogando bem, mostrando qualidade, o Flu começou a disputar a liderança. Mas logo, o futebol da equipe despencou. E Muricy começou a se mostrar um técnico retranqueiro, medroso, fraco. Sua equipe jogava feio e começou a ter tropeços importantes, como empates com Prudente e Palmeiras em casa. Fred, Deco e Émerson se machucaram e o time ficou desfeito. Mas Muricy conseguiu, para mim, de uma maneira feia, vencer. A sua equipe jogava retrancada, quando estava a frente no marcador muitas vezes recuava. Eu achei que esse futebol fraco teria prazo de validade, mas Muricy foi conseguindo vitórias suadas e contando com tropeços rivais, até que após 38 rodadas, o Fluminense sagrou-se campeão Brasileiro.

Hora de demitir Muricy? Segundo a diretoria não. Apesar das atuações péssimas, Muricy continuou no comando. No início do Carioca, sua equipe até jogou bem, mas logo voltou com o futebolzinho chato e pragmático. A mesmice de 2010 se repetindo. Só que dessa vez, os resultados não vieram. Derrota nos pênaltis para o Boavista na semifinal da Guanabara, empates nos dois primeiros jogos da Libertadores no Engenhão e o Flu começou a viver momento turbulentos. Troca na presidências, torcida vaiando a equipe. E em que isso culminou? Na saída de Muricy.

Será que ele abandonou o barco quando viu a coisa apertar? Será que as brigas polítcas fo
ram o principal para sua saída? Segundo ele, quando assumiu o Fluminense foram prometidas duas coisas: uma equipe competitiva e a melhora do espaço físico do clube. Segundo ele, a melhora na estrutura não foi cumprida. Acho engraçado que isso só veio a tona quando os resultados começaram a não aparecer. Será que Muricy campeão da Taça Guanabara e vencendo os três primeiros jogos da Libertadores pediria demissão? Acho difícil! Enfim, hoje quem deve estar feliz é o torcedor do Fluminense que gosta de um futebol bonito e envolvente. Quem será o próximo treinador da equipe? Palpites?

Um detalhe curioso é que justamente no último jogo com Muricy como treinador, o Fluminensejogou bem, no empate em 0 x 0 com o Flamengo.

quinta-feira, março 10, 2011

CONCA E HE-MAN BRILHAM E FLU DERROTA O AMÉRICA.

Por Danilo Silveira

Em situação delicada na Libertadores, o Fluminense precisava vencer no Carioca para amenizar as coisas nas Laranjeiras. Sábado a equipe derrotou o Resende, e hoje, a vítima foi o América. Dois gols de He-Man e uma bela atuação de Conca foram os destaques da equipe, além do goleiro Ricardo Berna, que inclusive pegou uma penalidade.

Antes do primeiro minuto ser completado, Araújo recebeu bola na cara do goleiro, mas o impedimento foi marcado de maneira equivocada. Em seguida, o América respondeu com um chute perigoso de Bruno Reis, espalmado por Berna. O América foi mostrando maior volume de jogo e aos poucos foi dominando a partida. Aos 6, Gum recebeu na área e novamente foi marcado impedimento de maneira equivocada. Aos 8, Diguinho (do América), apareceu pela esquerda e carimbou o travessão de Berna. O Mequinha foi tomando conta do jogo e a parada técnica veio no momento certo pro Flu. A equipe voltou melhor, mais presente no ataque. Aos 30, após escanteio da esquerda, Leandro Eusébio cabeceou por cima. Dois minutos mais tarde, He-Man recebeu cobrança de lateral na ponta esquerda, bateu pro meio, a bola passou pelo goleiro e chegou até o Argentino Conca, que teve o trabalho de empurrar para as redes e abrir o placar no Engenhão. Assim, o Tricolor foi em vantagem para a segunda etapa.
Logo aos 2 minutos, Conca deu linda enfiada de bola para Marquinho, que ajeitou para He-Man chutar para defesa do goleiro. No minuto seguinte, Michel apareceu pela direita da grande área e Leandro Eusébio vinha por trás na marcação; o jogador americano caiu e o árbitro assinalou pênalti, em minha opinião, erradamente. Diguinho cobrou fraco, no canto esquerdo de Berna, que se adiantou demais e defendeu. Achei que o árbitro voltaria a cobrança, mas o jogo seguiu. E aos 8, cruzamento da direita, Araújo desviou e He-Man tocou de cabeça para ampliar. Se no começo da segunda etapa o árbitro marcou um pênalti que, em minha opinião não houve, aos 16, ele deixou de assinalar uma penalidade de Gum. Muricy Ramalho tirou Araújo e lançou Sheik em campo. E aos 26, uma goleada se desenhou. Conca recebeu pela direita, e retribuiu a assistência de H-Men na primeira etapa; o atacante empurrou para as redes e fez o terceiro. Mas aos 34, o América chegou ao gol de honra em uma bela troca de passes, que terminou com Bruno Reis chutando para o fundo das redes. O América até ensaiou chegar ao segundo gol, mas Ricardo berna evitou e o Flu venceu a segunda e está 100% na Taça Rio. Além dos três pontos, a boa notícia é a grande atuação de Conca, a primeira em 2011! Vale lembrar que domingo é dia de Fla-Flu. Palpites?


quarta-feira, março 09, 2011

BARÇA DERRUBA UM ACUADO ARSENAL E VAI ÀS QUARTAS.

Por Danilo Silveira

O tão esperado duelo válido pelas oitavas de final da UEFA Champions League foi decidido hoje. Jogando no Camp Nou, o Barça venceu o Arsenal com dois gols de Leonel Messi. A equipe Londrina não demonstrou a mesma força ofensiva do jogo de ida e tomou um baile do adversário, que poderia ter se transformado em goleada.

Logo aos 3 minutos, Pedro recebeu na frente, mas na hora do chute foi travado. Aos poucos, a equipe da casa ia tentando impor o ritmo do jogo. Aos 16, Daniel Alves cobrou falta de longe para defesa tranqu7ila de Szczesny, só que o goleiro polonês machucou o dedo no lance e precisou ser substituído por Almunia, que foi um dos destaques da partida. Aos 32, Iniesta tocou para David Villa na esquerda, o atacante tinha marcação por perto e finalizou fraco para defesa de Almunia. O jogo era brigado, pegado e aos poucos, o futebol das, pelo menos para mim, duas melhores equipes do mundo começava a beirar a deslealdade. Faltas duras dos dois lados eram vistas até que uma confusão se estabeleceu em campo, onde era notável uma irritação de Van Persie. Quando o jogo recomeçou, o holandês agrediu Daniel Alves e deveria ser expulso, mas o árbitro optou pelo cartão amarelo. E aos 46, Fabregas saiu jogando errado, Iniesta enfiou linda bola para Messi, que facilmente fez o telespectador esquecer da confusão e lembrar do futebol, dando um lindo chapéu em Almunia e chutando para abrir o placar. Assim, a partida foi para o intervalo, com um placar que dava a classificação para o Barça.

A segunda etapa começou e logo aos 7 minutos, Nasri cobrou escanteio da esquerda e Busquet cortou mal, para dentro das próprias redes: era o empate do Arsenal. A essa altura os Gunners estavam se classificando, o Barcelona precisava de pelo menos um gol, para levar o jogo para prorrogação. E o futebol do Barça começou a aparecer, só que com ele, as belas intervenções de Almunia. Aos 8, ele defendeu finalização de Villa. E aos 10, um lance importante para o duelo. Van Persie recebeu em bola na frente, o impedimento foi assinalado, mas mesmo assim o holandês finalizou. Sem titubear, o árbitro expulsou o atacante, que apontava para torcida, provavelmente afirmando que não ouviu o apito graças ao barulho proveniente das arquibancadas. O Barça já era melhor no jogo, mas a partir de então, a partida ficou praticamente ataque contra defesa.Se eu não conhecesse o time do Arsenal, diria que trata-se de uma equipe fraca. Mas não é essa a verdade. O Barça dominava a partida, o talento de Fabregas e Nasri não apareciam. Almunia salvou dois chutes de Villa e Daniel Alves finalizou para fora após linda trama de passes da equipe espanhola. Aos 21, veio o gol ao estilo Barça: Iniesta arrancou pelo meio, tocou para Villa, que deixou para Xavi, na cara de Almunia tocar para as redes. O placar levava o jogo para pênalti, mas 4 minutos mais tarde, Xavi tocou para Pedro, Koscielny estava na marcação e o árbitro apitou a penalidade em um lance duvidoso. Lembro que na primeira etapa, o árbitro não assinalou pênalti para o Barça, em um lance que eu sinceramente vi a infração. Messi cobrou no canto esquerdo do goleiro e fez o gol da classificação. Wenger tirou o sumido Rosicky para colocar Arshavin e depois tirou Fabregas, talvez sentindo dores, para colocar Bendtner. Mas o Barça continuava em cima, dominando a partida, encantando o mundo. David Villa saiu para entrada da Afellay, que teve chance para ampliar. E o Arsenal teve uma grande chance de ampliar, mas Valdez saiu bem do gol para evitar. Líder do campeonato espanhol, garantido na final da Copa do Rei e nas quartas da Champions. É o Barça, o melhor time do mundo, favoritíssimo para conquistar a Europa!

sábado, março 05, 2011

BREVE GIRO PELO CARIOCÃO.

Por Danilo Silveira

Os grandes do Rio de Janeiro começaram a Taça Rio com resultados parecidos os quais começaram a Taça Guanabara. Confira:


Se no primeiro turno o Rubro Negro da Gávea venceu o Voltaço por 2 x 0, hoje a equipe venceu de virada o Olaria por 3 x 1, com 2 gols de Thiago Neves e um de Ronaldinho Gaúcho.

Na estréia da Guanabara, o Botafogo venceu o Duque de Caxias e hoje a equipe também triunfou diante do Volta Redonda: 4 x 2.


No primeiro duelo no Cariocão, o Fluminense venceu o Bangu com gol de Fred. De lá pra cá, muita coisa ruim aconteceu pelas Laranjeiras. Fred se machucou novamente, a equipe foi eliminada na semifinal da Guanabara pelo Boavista e na Libertadores, uma derrota, dois empates e situação muito complicada. A vitória de hoje pra cima do Resende, por 2 x 1, pode servir como consolo para o torcedor ou como esperança de dias melhores.


O Vasco começou 2011 de maneira catastrófica, perdendo os quatro primeiros jogos do Cariocão. E ontem, na estréia da Taça Rio, novo tropeço: derrota por 3 x 1 para o Macaé.

quinta-feira, março 03, 2011

QUE SUFOCO HEIN, FOGÃO?!

Por Leandro Moraes - Twitter: leandromoraes26

Após perder o primeiro jogo em Aracaju por 1x0, o Botafogo entrou em campo disposto a resolver o jogo logo de cara. Sem Loco Abreu, machucado, Joel apostou na velocidade do garoto Caio. Mudança de estilo no time, acostumado com os “chuveirinhos” pro uruguaio.

Mas não foi nada fácil furar o bloqueio do time sergipano, que se portou bem dentro de campo. Apesar de defensivo, não foi retranqueiro e até buscou algumas saídas de contra ataques. Numa delas, levou perigo, logo aos 3 minutos. A tensão começou a tomar conta do time de General Severiano. Herrera era muito bem marcado, mas se irritava com o árbitro a cada lance. A saída era explorar a velocidade de Caio, que aos 22 minutos quase marcou num belíssimo chute de fora da área. A torcida acordou e dois minutos depois o time voltou a pressionar. Renato Cajá deu belo passe pra Herrera, que dominou e chutou de canhota, mas o goleiro Max fez excelente defesa com uma das mãos. Mesmo sem Loco Abreu, o Botafogo insistia nas bolas aéreas e quase marcou aos 34 minutos, quando o lateral Lucas (uma das mudanças de Joel) cruzou e Caio, bem marcado, cabeceou pra fora. Mesmo atacado, o River não se abateu. Jogou até com certa calma, mesmo com seus jogadores exagerando nas divididas. E aos 38 minutos teve a sua melhor chance com Bibi, que recebeu cruzamento de Pedrinho e cabeceou, pra grande defesa de Jefferson. Quando o primeiro parecia terminar 0x0, eis que surge uma falta da meia direita. Renato Cajá cobrou, o goleiro Max saiu muito mal, a bola desviou de Bebeto, quicou em cima da linha e Váldson tirou. Mas no entendimento do auxiliar, foi gol. O árbitro confirmou: Botafogo 1x0. O gol inflamou o time da casa, que quase ampliou no último lance do primeiro tempo. Lucas roubou bola na intermediária, chutou cruzado e Herrera, desequilibrado, finalizou por cima.

Disposto a resolver a parada na segunda etapa, o Botafogo voltou a mil por hora e quase ampliou com 40 segundos com Everton, que roubou a bola do zagueiro e de canhota, acertou a trave. Nada melhor como começar assim e pressionar o adversário. Dessa maneira, quase chegou ao gol aos 9 minutos, quando Herrera recebeu ótimo passe de Cajá, driblou um zagueiro e chutou pra fora, perdendo mais uma ótima chance. Com a necessidade de marcar mais um gol, Joel colocou o centroavante Alex e tirou o meia Everton. O time ficou com 3 atacantes e ganhou um centroavante pra poder jogar a bola pra área. E minutos depois, quase o garoto teve estrela: Caio cruzou, a bola passou por todo mundo, Alex ajeitou e finalizou no ângulo, só que por cima do gol. O tempo foi passando e a impaciência aumentando. O River não atacava, só esfriava o jogo e o Botafogo erroneamente insistia nas jogadas pelo meio. Joel tirou o claudicante Renato Cajá e apostou na juventude de Fabrício e o time só voltou a atacar aos 34 minutos: Caio (o melhor do Botafogo no jogo) cruzou, Alex cabeceou livre e Max fez uma defesa sensacional. A bola parecia não querer entrar. A última cartada de Joel foi trocar o lateral Márcio Azevedo por Alessandro, mas não tinha mais tempo. Fim de jogo: Botafogo 1x0 River e decisão por pênaltis no Engenhão!

Na segunda decisão por pênaltis em 10 dias, o Botafogo se deu bem: Venceu por 4x1 e eliminou o River Plate. Na segunda fase, a equipe carioca pega o Paraná Clube. Após o término, os jogadores foram saudar o técnico Joel Santana, ameaçado no cargo e que poderia sair caso a equipe fosse eliminada. Homenagem justíssima.

POUCO OUSADO, FLU SE COMPLICA AINDA MAIS.

Por Danilo Silveira

Jogando no está'dio Azteca, o Fluminense foi derrotado pelo América-MEX por 1 x 0 e viu sua situação se complicar e muito na LIbertadores.

A partida começou equilibrada, com América tentando chegar mas logo o Flu saiu mas pro jogo impedindo que a equipe mexicana dominasse a partida. Aos 14, Conca recebeu na direita, rolou pro lado e após um chute a bola desviou no adversário e sobrou apra Rafael Moura completar para defesa de Uchôa, mas já havia sido marcado impedimento do atacante. No minuto seguinte, Mariano arriscou pela direita para defesa do goleiro. O jogo era amarrado, pegado, com as duas equipes marcando muito. Nos minutos finais da primeira etapa, a equipe da casa começou a mostrar-se melhor na partida. Montenegro arriscou de muito longe aos 30 e a bola passou por cima. Antes do apito decretando o fim da primeira etapa, Oliveira tentou também de fora da área. Um chute passou muito perto e outro parou nas mãos de Ricardo Berna. Assim, a partida foi zerada para etapa final.

E a equipe de Muricy Ramalho voltou melhor, dominando as ações ofensivas. Sendo assim, o comandante tricolor poderia ter colocado mais um homem de criação, no caso Souza, já que estava com três zagueiros e dois volantes em campo. Mas, o treinador foi deixando o mesmo time em campo, até que aos 15, Valencia se machucou, era a chance de Muricy colocar Souza em campo e buscar a vitória dominando a partida. Só que ele preferiu colocar Edinho na vaga do volante contundido. Pouco antes, o técnico Reinoso, do América tinha trocado Pardo por Reyna. E aos 17, Reinoso colocou em campo o homem que faria o gol da vitória: D. Márquez. Para isso, tirou Layún. Aos 22, Reyna cruzou e Vuoso de cabeça teve chance de abrir o placar. Aos 24, Martínez entrou na vaga de Olivera. E no minuto seguinte saiu o gol do América. Montenegro deixou Márquez na cara do gol, em posição legal, o jogador tocou na saída de Berna para fazer o gol do jogo. Na minha visão, com um atraso tremendo Muricy mexeu na equipe, só que para piorar as coisas, mexeu mal: tirou Conca, isso mesmo que vocês lera, e colocou Araújo. Os meias de ligação da equipe inexistiam, ou forçando a barra, dá pra dizer que o Tartá jogava pelo meio. O fato é que pouco adiantou a entrada de Araújo, mas o Flu tentava ir pra cima, ao mesmo tempo, sofria pressão atrás. Berna foi garantindo a derrota por placar mínino e o máximo que a equipe de Muricy conseguiu foram dois chutes a gol de fora da área, executados por He-Man, que pararam no goleiro Uchôa. Aos 36 minutos, só aos 36 minutos, Muricy lançou Souza na vaga de Digão. Um resultado que foi a cara do Fluminense de Muricy. Só os resultados adversos parecem fazerem as pessoas enxergarem os problemas de uma equipe. Defeitos defensivos, falta de ofensividade, visualizadas por mim desde 2010, talvez só agora virão a tona.

Com o resultado, o Fluminense complicou-se na competição. Se vencer os próximos três jogos, classifica-se certamente. Mas um único tropeço, provavelmente será fatal.

terça-feira, março 01, 2011

CHELSEA DERRUBA MANCHESTER UNITED E PREMIER LEAGUE GANHA EM EMOÇÃO.

Por Danilo Silveira

Chelsea e Manchester United entraram no Stamford Bridge hoje para disputar um jogo adiado por causa da chuva, válido pela Premier League. Em uma bela partida, emocionante, os Blues venceram de virada e apesar do título bem distante, seguem firme na disputa por uma vaga na Champions League da próxima temporada. O Manchester conheceu sua segunda derrota na competição, segue líder com 4 pontos de vantagem pro Arsenal, mas agora, com um jogo a mais.

Aos 4 minutos de partida, contra ataque rápido do Chelsea e após bola rolada da direita, Malouda arriscou mas a bola saiu no meio do gol para fácil defesa de Van Der Saar. Aos 15, Chicharito tocou para Evra na esquerda, o lateral chutou cruzado e ninguém chegou para empurrar para o gol; o Chelsea roubou a bola e dessa vez o contra ataque acabou com chute de outro francês; Anelka bateu cruzado e a bola saiu. Aos poucos, o Manchester foi se mostrando melhor na partida e começou a pressionar. David Luiz aparecia bem, apesar de realizar algumas saídas da área preciptadas, sendo até violento em alguns momentos. E aos 29, Nani tocou para Rooney, que girou e de fora da área, chutou no canto direito de Peter Cech para abrir o marcador no Stamford Bridge. Logo, o Chelsea começou a aparecer mais no ataque e pressionar o Manchester. A melhor chance da equipe no jogo foi em falta batida da direita por Malouda, que Van Der Saar espalmou, a bola tocou em Ivanovic e quando o jogador foi completar quase em cima da linha, Van Der Saar, de maneira incrível, deu um toque na bola caído, impedindo o empate. Assim, os Red Devils foram em vantagem para o ataque.

O Chelsea voltou para a segunda etapa no ataque, tentando encurralar o Manchester e aos 8 minutos saiu o empate. Essein cruzou da esquerda, Ivanovic tocou de cabeça, a bola quicou no gramado e David Luiz deu um lindo chute, indefensável, no canto esquerdo do goleiro Van Der Saar: tudo igual no placar. Logo, Ancelotti lançou Drogba na vaga de Anelka. O jogo ficou lá e cá, as duas equipes pareciam não estarem satisfeitas com o empate. Aos 24, mais substituições: Berbatov e Giggs entraram nas vagas de Chicharito e Scholes enquanto no Chelsea, Zhirkov entrou no lugar de Malouda, que não fez uma excelente partida. Aos 29, Rooney girou em cima de David Luiz e chutou para defesa de Cech. O jogo era bom, movimentado. David Luiz ao mesmo tempo que era um gigante em campo, chegava por vezes forte demais sem necessidade. Ele já tinha amarelo e poderia já ter sido expulso da partida. Aos 33, Drogba tocou para Lampard que deixou para Zhirkov, que tentou passar por Smalling e após um choque foi ao chão. Eu, mandaria seguir, mas o árbitro não: pênalti assinalado. Lampard foi para cobrança, soltou a bomba no meio do gol e virou o jogo para os Blues. Logo, Ferguson lançou Fábio na vaga de Evra enquanto Ancelotti, talvez com medo do zagueiro tomar o segundo amarelo, sacou David Luiz para colocar Bosingwa. Aos 36, após escanteio da esquerda, a bola sobrou para Zhirkov que chutou, a bola pegou em Vidic, tocou a trave e saiu. Cinco minutos mais tarde, após troca de passes Fábio ia chegou à frente, mas Cech saiu para evitar o gol de empate, parando o chute do jogador. Nos acréscimos, Vidic, que já tinha amarelo, foi expulso ao fazer falta em Ramires. Assim, o manchester perdeu pela segunda vez na competição e pode ver o Arsenal se aproximar.
E na próxima rodada, mas uma pedreira: Liverpool no Anfield Road! Fortes emoções estão por vir!